CONHEÇA: Megan Thee Stallion e a ascensão do rap feminino

Entre os sucessos de Nicki Minaj e Cardi B, outra rapper escala os charts com a força de um “cavalo”

O Rap (ritmo e poesia), vertente musical da cultura Hip Hop, ainda é considerado machista e quase totalmente dominado por vozes do sexo masculino. Porém, nos últimos anos, um número expressivo de rappers femininas atingiu sucesso considerável e tem conseguido manter carreiras estáveis.

Nicki Minaj, Iggy Azalea e Cardi B são os exemplos mais conhecidos da indústria americana atualmente, tendo dominado esse cenário na última década. Já no Brasil, temos nomes como Karol Conká e Drik Barbosa.

Neste ano, mais uma rapper começou a chamar a atenção dos charts. Megan Thee Stallion ganhou, recentemente, uma super matéria na Billboard americana após sua música Big Ole Freak render bons frutos nas paradas.

B*tch, I’m from Texas

Megan Pete, nascida em 15 de fevereiro de 1995 no sul do Texas, é mais conhecida por “Megan Thee Stallion”, uma escolha um tanto afrontosa para um nome artístico. Stallion significa “cavalo” ou, mais especificamente, “garanhão”. No rap feminino é possível notar várias referências metafóricas a elementos do universo masculino como uma forma de resistência ao machismo e sexismo.

Se denominar um “garanhão” transmite a ideia de que, mesmo sendo uma mulher, suas rimas e sua liberdade sexual estão ao mesmo nível – ou melhores – de qualquer outro rapper do sexo masculino. O nome também faz referência a origem texana de Megan, já que seu estado é conhecido por ser “a terra dos caubóis”.

ms5
Megan Thee Stallion em ensaio para a Billboard americana.

Megan cresceu na cidade de Houston com sua mãe, a também rapper Holly-Wood (Holly Thomas), que infelizmente faleceu em 22 de março deste ano. Holly também era empresária de Megan, tendo visto a filha seguir seus passos e começar a rimar aos 14 anos de idade.

Trabalho e Carreira

Aproveitando a visibilidade dos últimos meses, a rapper texana lançou seu álbum de estréia Fever na última sexta-feira (17), contendo sua nova aposta para o mercado: Sex Talk. Ouça abaixo:

Uma curiosidade sobre o álbum é que, na arte da capa, Megan inclui sua marca stallion (cavalo garanhão).

Antes disso, Megan já havia lançado dois EPs: Make It Hot (2017) e Tina Snow (2018) que contém seu maior sucesso Big Ole Freak:

ms9
Fever (2019) – Tina Snow (2018) – Make It Hot (2017)

Jaden Smith vai interpretar Kanye West na série “Omniverse”

Antologia produzida pelo próprio Kanye promete “examinar as muitas portas da percepção”

Segundo o site The Hollywood Reporter, Kanye West está produzindo uma série antológica para o canal de TV Showtime em que Jaden Smith vai interpretar sua versão jovem.

Omniverse terá episódios de cerca de 30 minutos que vão “examinar as muitas portas da percepção”. A primeira temporada abordará o ego através dessa “realidade paralela” de Kanye West.

O rapper será produtor executivo ao lado de Scooter Braun e Lee Sung Jin, que também está responsável pelo roteiro. Jin também é um dos nomes por trás de Tuca & Bertie, nova animação da Netflix.

Em entrevista, Lee Sung Jin afirma que “Omniverse não é sobre o Kanye West do nosso mundo”, já que a ideia é construir realidades alternativas, diferentes consciências.

Além de ator, Jaden Smith mantém carreira paralela na música. Confira o último clipe lançado por ele: