5 personagens com doenças mentais que são exemplo de superação

Caso você, ou alguém que você conheça, precise de ajuda, não hesite em pedir. Ligue 188 para conversar com um voluntário do Centro de Valorização da Vida.

A campanha Setembro Amarelo acontece no mundo todo, visando a busca de conscientização e discussão ao tema que ainda é considerado taboo. O suicídio é a causa de morte de 800 mil pessoas por ano, tendo subido 60% nos últimos 45 anos e, se não começarmos a falar sobre, essa taxa não deve diminuir.

Ainda que estejamos começando a entender os motivos pelos quais uma pessoa pode cometer suicídio, ainda temos dificuldade para apoiar tanto os que tentam se suicidar quanto àqueles que perderam alguém dessa forma. Uma das principais dificuldades é exatamente em abordar e conversar sobre o tema.

A lista a seguir foi cuidadosamente escolhida para você, que gostaria de entender um pouco mais sobre o assunto ou para você, que não está conseguindo ver como pode viver com o que te aflinge.

Os 5 personagens à seguir sofrem com doenças mentais e encontram um modo de lutar todos os dias.

Atypical

*Apesar de autismo não ser considerado uma doença mental e sim um transtorno, escolhemos colocá-lo na lista por sua importância e pela qualidade e sensibilidade que é tratada na série.

Atypical é uma série da Netflix que possui duas temporadas e tem impressionado pela sua qualidade e sensibilidade em tratar o tema autismo. O personagem principal, Sam (Keir Gilchrist) é autista e enfrenta várias dificuldades por conta disso. Situações que, para uma pessoa neurotípica, poderiam ser consideradas comuns, para Sam são um desafio constante.

Ainda que o mundo pareça um lugar hostil para Sam, sua família e amigos estão sempre ao seu lado e a sua persistência e coragem são admiráveis.

O Mínimo para Viver (2017)

O Mínimo para Viver foi um filme muito criticado por tratar de maneira relativamente romantizada o tema da bulimia e da anorexia, no entanto, seu tema é tão importante e a quantidade de filmes de fácil acesso sobre o assunto é tão pequena, que achamos que ele deveria ser citado nessa lista.

Ellen (Lily Collins) é uma jovem mulher que têm anorexia à anos e, após várias tentativas de tratamento sem sucesso, vai para uma casa de reabilitação aonde outras pessoas com distúrbios alimentares são tratadas. Sua luta com a doença é bem retratada, de forma bruta e quase gráfica, mostrando como isso a afeta e àqueles que estão a sua volta, bem como evidencia, através dos outros personagens, como distúrbios alimentares não têm idade, raça ou sexo, é algo que qualquer pessoa pode vir a ter.

 

As vantagens de Ser Invisível (2012)

As Vantagens de Ser Invisível foi considerado por críticos como o novo O Clube dos Cinco, por mostrar a vida de adolescentes que enfrentam problemas, decepções e pressão e ainda assim, mantêm o bom-humor. Apesar de todos os personagens serem muito complexos, Charlie (Logan Lerman) é o mais bem trabalhado (até por ser o protagonista) e tem depressão.

O filme retrata a vida de Charlie e podemos perceber que, ainda que a depressão e a sua tentativa de suicídio sejam parte de quem ele é, isso não é o que o move e muito menos o principal na sua vida. Charlie é muito mais do que a sua doença e seu “histórico”, ele é um adolescente com um passado traumático, amigos incríveis e uma sensibilidade invejável.

Uma Mente Brilhante (2001)

Inspirado em uma história real, Uma Mente Brilhante, conta a história do matemático John Nash (Russel Crowe), um homem brilhante que é diagnosticado com Esquizofrenia Paranoide aos 30 anos e no auge de sua carreira.

Durante o filme, vemos a luta de Nash para distinguir o que é real e o que é alucinação e, por vezes, nem o espectador sabe bem o que é o que, passando a ideia de como é viver com essa doença. John lutou a vida toda contra a doença, até seu falecimento devido à um acidente de carro, mas ainda assim estabeleceu sua carreira e foi um exemplo para muitos.

This is Us

This is Us é uma série da NBC que mostra a história de uma família que é cheia de problemas, desafios, mas se mantém unida pela fraternidade e carinho. Randall (Sterling K Brown) é um dos personagens favoritos de quem acompanha a série, principalmente por ser um ótimo filho, pai e marido. Mas toda perfeição têm seu preço e, a pressão (muitas vezes infligida por ele mesmo) fez com que Randall se tornasse uma pessoa extremamente ansiosa, sofrendo com ataques de pânico.

A sociedade exige cada vez mais de nós, mais imediatismo, mais atenção, mais presença, e isso tem feito com que o número de pessoas diagnosticadas com ansiedade aumentassem cada vez mais. Assim como Randall, a pressão por ser perfeito o prejudicou, mas o seu caráter e sua sensibilidade falam mais forte. É preciso aprender a perder, mas, para isso, não é preciso perder à si mesmo.

 

Gostou da lista? Tem algum personagem que você se inspira para continuar se mantendo forte? Conte para a gente!

 

 

Peixe de Segunda: 5 bandas brasileiras de mais sucesso no exterior que em casa

Talvez sejam os sons, distantes daqueles culturalmente enraizados em nossas terras.

Dono de um capital cultural incrível, o Brasil é berço de maciços movimentos artísticos, que revelaram nomes em diversas áreas. Do samba de raiz, surgido nas periferias do país, ao cinema premiado internacionalmente, passando pela Tropicália e outras manifestações no entremeio, nossos comportamentos transpuseram barreiras.

Talvez, a música seja nossa principal contribuição para o mundo artístico. Desde as bandas que somos mais familiarizados, àquelas que escolheram se focar no mercado internacional, em busca de um público diferenciado, que no Brasil acaba por ser apenas de nicho.

Focando nesses artistas, trago uma lista dos cinco bandas que fizeram mais sucesso além das nossas fronteiras. Principalmente, por focarem em composições no internacional inglês.

1. CSS

Surgida com o boom da internet, no início dos anos 2000, o Cansei de Ser Sexy, ou CSS, conquistou o público do indie/eletrônico com hits pop chicletes. Depois de estourar na MTV Brasil com o clipe de “Alala”, a banda teve seu público fiel na Europa, para onde se mudou para dar sequência à carreira.

Tiro certo! Emplacando single atrás de single, a banda se manteve sob holofotes e foi presença constante em vários festivais do velho continente.

A música descompromissada deu um ar de autenticidade ao grupo indie, que conseguiu fazer seu som até o topo e segue carreira até hoje, formada inteiramente por meninas, uma vez que Adriano Cintra deixou a banda em 2011.

2. Angra

Uma das principais expoentes do heavy metal brasileiro, Angra com certeza foi das bandas de maior sucesso comercial fora do país. Em seu início, fez participações um tanto quanto questionáveis em programas de TV.

Mas foi um mal necessário. Logo a banda decolou e foi trampolim para grandes nomes da música brasileira. Inclusive, a partir do Angra surgiram outros nomes, como Shaman, que é quase como uma subsidiária da primeira.

Kiko Loureiro, guitarrista e fundador da banda, é hoje, também, guitarrista do Megadeth, um dos principais nomes do thrash metal mundial, sendo integrante do Big Four of Thrash, junto a Slayer, Anthrax e Metallica.

3. Far From Alaska

Mais recente da lista, o som dos nordestinos do Far From Alaska chegou no momento certo, em que bandas de stoner surgem aos montes. Mas, não apenas isso, fazem um som muito bom e conseguem se destacar em seu estado, Rio Grande do Norte, mesmo tocando em inglês.

Em 2017, a banda foi uma das atrações da edição francesa do itinerante Download Festival, dividindo palco com bandas de status internacional, como Slayer e System of a Down.

Cercada de bons instrumentistas, Emmily Barreto lidera muito bem a banda como excelente frontwoman e um vocal poderoso.

4. Krisiun

Um dos grandes nomes do metal extremo brasileiro, o powertrio gaúcho Krisiun é aclamado mundialmente com um som que transita entre o thrash e o death metal, conciso e direto. Tem grande público na Alemanha, onde, inclusive, gravaram alguns de seus álbuns.

Já tendo excursionado pelos quatro cantos do mundo, a banda dividiu palcos com grandes nomes do death metal mundial, como Vader, Morbid Angel e Brujeria. Eles seguem na ativa, e muito bem, com turnês no Brasil e fora, e quase 20 anos de estrada.

5. Sepultura

Sem dúvidas, o maior expoente da música pesada brasileira. Sepultura tem todo um nome para si mesmos, sendo presença frequente em diversos veículos ao redor do mundo entre as bandas e álbuns mais influentes do metal.

O destaque é o álbum Roots (1996), que elevou o patamar da banda, fazendo seu som transitar do thrash para o groove metal, marcou o experimentalismo da banda, que misturou batuques de sons de matrizes africanas ao timbre grave dos instrumentos do metal pesado.

Se tornando um dos principais nomes do gênero, a banda de BH é sempre citada por outros artistas do meio, como Dave Grohl, membros do Metallica e Gojira, como uma de suas principais influências.

Deixamos alguém de fora que não deveria ter ficado? Conta aí!

***

“Peixe de Segunda” é a coluna da Baleia para tratar de temas não convencionais dentro da cultura pop e do universo geek.

Dia Mundial do Rock: 10 filmes que tratam sobre o assunto

Com certeza, muitos outros filmes ficaram de fora.

Em homenagem ao Live Aid, megafestival que aconteceu em 13 de julho 1985, com diversos artistas da cena rock do mundo em prol de pessoas em situação de fome na Etiópia, a data ficou eternizada – pelo menos no Brasil – como Dia Mundial do Rock.

No Brasil por que, em todo o resto do mundo, ela é completamente ignorada. Dia de rock é todo dia, bebê! Por isso, que tal preparar os fones de ouvido e a pipoquinha para curtir algumas produções audiovisuais dedicadas ao estilo musical que mantém gerações vivas?

Anote aí!

ROCK STAR (2001)

Ambientado nos anos 80, o filme traz como protagonista Mark Wahlberg, que interpreta Chris Cole, um aspirante a astro do rock que vê sua vida mudar após Bobby Beers (Jason Flemyng), vocalista de sua banda favorita, e da qual ele tinha um grupo cover, Steel Dragon, ser expulso.

Ao lado de grandes músicos de vida real, como Jason Bonham (Led Zeppelin, UFO) e Zakk Wylde (Black Label Society, Ozzy Osbourne), Chris finalmente sente o gostinho da vida de rockstar que sempre quis. Jennifer Aniston também está no elenco.

SING STREET (2016)

Mais um ambientado nos anos 80. Nesse, em sua cidade do interior irlandês, Conor Lawlor (Ferdia Walsh-Peelo) quer conquistar o amor da sua vida: Raphina (Lucy Boynton).

Para tentar ter sucesso no objetivo, ele a convida para participar do clipe da sua banda, Sing Street. O problema é que ele ainda não faz parte dela.

ALMOST FAMOUS – Quase Famosos (2000)

Um dos filmes mais lembrados quando o assunto é rock and roll, o filme segue William Miller (Patrick Fugit), jovem de 15 anos e crítico musical para a Rolling Stone, que acompanha uma turnê da banda Stillwater pelos Estados Unidos.

A produção é baseada na história pessoal do diretor Cameron Crowe, que foi um jornalista e acompanhou bandas como Allman Brothers, Led Zeppelin, Eagles e Lynyrd Skynyrd e tem ainda Kate Hudson, no papel da sugestiva Penny Lane.

A trilha sonora original do filme, composta pela banda fictícia, ficou famosa e teve seu relativo sucesso.

DETROIT ROCK CITY – Detroit a Cidade do Rock (1999)

O plano de fundo aqui é a própria banda Kiss, uma vez que uma das músicas do grupo dá nome ao filme. Nele, quatro adolescentes, fãs dos nova-iorquinos, têm uma banda cover e tentam de tudo para ver seus ídolos ao vivo.

A produção é ambientada em 1978 e tem participação memorável dos membros Kiss como eles mesmos, e trilha sonora tem ainda bandas como AC/DC, Black Sabbath, Van Halen, Pantera e Blue Öyster Cult.

FRANK (2014)

Excentricidade. John Burroughs (Domhnall) sonha em ser tecladista em uma grande banda. Um acidente o coloca no caminho dos Soronprfbs, uma banda de rock e pop que tem um frontman meio esquisito.

Frank (Michael Fassbender) jamais tira sua gigante cabeça artificial, seja para comer, tomar banho ou dormir. Mais ou menos o que imaginamos que aconteça com o Daft Punk.

SCOTT PILGRIM VS. THE WORLD – Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010)

Em Toronto, no Canadá, Scott é o baixista da banda Sex Bob-omb e namorado de Knives Chau, para quem ele não ligava muito, até que se apaixona por Ramona Flowers.

Para manter o relacionamento com Ramona, Pilgrim descobre que terá que derrotar todos os seus sete ex-namorados e namoradas. Um por um. Cada um de uma maneira diferente.

É tão doido como se pode imaginar.

SCHOOL OF ROCK – Escola de Rock (2003)

Jack Black sempre caminhou nesse limiar entre a música e o cinema. E neste musical ele é Dewey Finn, um roqueiro frustrado após ser expulso de sua banda, No Vacancy.

Desempregado, ele vê uma oportunidade de ser um professor impostor em uma escola conservadora de alta classe. Lá, enxerga em seus alunos, por volta dos 10 anos de idade, a oportunidade de montar uma banda e participar da “Batalha das Bandas”, e então se provar o astro do rock improvável que todos duvidavam.

A trilha sonora é recheada de clássicos e foi, inclusive, indicada ao indicada ao Grammy.

THIS IS SPINAL TAP – Isto é Spinal Tap (1984)

Esse mockumentary apresenta ao mundo a banda britânica fictícia de heavy metal Spinal Tap. O produtor Marty Di Bergi (Rob Reiner, diretor do longa) decide filmar os bastidores da turnê da banda, mas nem tudo é glamouroso como a vida de rockstar parece ser.

Durante a tour, a banda sofre com diversos problemas internos e conflitos de egos, que a levam à beira do fim, com diversos diálogos estranhamente hilários e insultos gratuitos, exatamente como têm de ser.

À época, o filme não foi muito bem recebido, pois público e crítica pensaram se tratar de uma banda real, e as avaliações foram de “non-sense” a “mal filmado”, passando por diversos outros adjetivos nada amigáveis.

Mas, anos depois, o mockumentary se tornou um clássico e elevado ao status de cult, responsável pela popularização do gênero cinematográfico.

Parte dos atores que interpretaram a banda realmente sabia tocar seus instrumentos, e tocaram e cantaram na produção.

WAYNE’S WORLD – Quanto Mais Idiota Melhor (1992)

Originado de um quadro “Saturday Night Live”, o filme conta a história de Wayne (Mike Myers) e Garth (Dana Carvey), dois amigos metaleiros que tocam um programa alternativo de TV, de acesso gratuito, no porão da casa dos pais de Wayne.

Após venderem os direitos do programa para Benjamin Oliver (Rob Lowe), eles vão comemorar em uma boate. Lá, Wayne se apaixona por Cassandra Wong (Tia Carrere), mas se encontra novamente com Benjamin, que também quer ficar com a mocinha.

TENACIOUS D IN: PICK OF DESTINY – Tenacinous D: Uma Dupla Infernal (2006)

Mais uma vez, Jack Black. Nesta ópera rock, JB (Jack Black) e KG (Kyle Gass) estão determinados a montar a maior banda de rock do mundo. Para tanto, eles resolvem ir atrás da Palheta do Destino.

A tal palheta teria sido forjada a partir de um fragmento do dente do próprio diabo, e passou pelas mãos de vários guitar heroes, como Eddie Van Halen e Angus Young (AC/DC).

O elenco ainda tem Ronnie James Dio (Rainbow, Black Sabbath), interpretando ele mesmo, e Dave Grohl (Nirvana, Foo Fighters, Queens of the Stone Age) como o próprio Demônio.

ATENÇÃO: O clipe abaixo é uma das cenas finais do filme e contém spoilers.

Baleia Lista: Seis músicas que falam de baleias

Escolhemos para vocês as melhores músicas do mundo sobre baleias.

Quem não gosta de baleias, e quem não gosta de música? Nós, aqui da BALEIA, com certeza não somos essas pessoas. Pensando nisso, preparamos para vocês uma lista de músicas, de vários estilos, sobre o mesmo animal amado por todos: A BALEIA.

Curte aí e conta para a gente qual a sua favorita.

“Don’t Kill the Whale” – Yes

Essa daqui vem dos heróis prog do Yes. É a primeira porque a mensagem é importante: mata as baleias não, parça.

“Blood and Thunder” – Mastodon

Esse disco todinho do Mastodon é baseado no romance Moby Dick, de Herman Melville, sobre a segunda baleia mais importante para a cultura mundial (a primeira, A Baleia). Essa música, em especial, fala de como seria encontrar e caçar o bichão. É épico.

“Flying Whales” – Gojira

O Gojira, aqui, descreve a grandeza dos animais mais majestosos dos oceanos. E também é sobre nunca desistir dos seus sonhos. Voe, baleia!

“We’re Looking For the Whales” – A-ha

Encontrou, A-ha. Encontrou!

“The Last Great American Whale” – Lou Reed

Lou Reed, sempre pedrada. Crítica não faltou.

“As Baleias” – Roberto Carlos

O rei aqui mandou bala na crueldade. Se não desce lágrima, você não tem coração!

BÔNUS: “Bar Mitzvah” – Nissim Ourfali

A última música ia ficar muito triste, e a gente não podia deixar assim. Essa é alto astral. Volte sempre, Nissim!

5 filmes para quem não aguenta esperar por Westworld

Com a segunda temporada de Westorld chegando à metade, está cada vez mais difícil esperar até que o domingo chegue para assistir o próximo episódio. Pensando nisso, criamos uma listinha de filmes relacionados à série de sucesso da HBO para você assistir enquanto espera a semana acabar para assistir a vingança dos robôs.

1 – Ex-Machina – Instinto Artificial (2014)

exmachina

O filme de Alex Garland se passa num futuro próximo, quando um programador de computadores, Caleb (Domhnall Gleeson) ganha numa loteria a oportunidade de passar uma semana na casa do gênio recluso e presidente da companhia Nathan Bateman (Oscar Isaac). Ao chegar na mansão do milionário, Caleb é convidado a testar a última criação de Nathan: uma inteligência artificial chamada Ava (Alicia Vikander).

A semelhança com Westworld fica por conta dos androides altamente tecnológicos que se sentem limitados por sua própria programação e pelas imposições dos seres humanos que os criaram.

2 – Ela (2014)

her

Dirigido por Spike Jonze, o longa apresenta Theodore (Joaquin Phoenix), um escritor recém-divorciado que compra um sistema operacional. Aos poucos, Samantha (Scarlett Johansson), modo como o sistema operacional escolheu ser chamado, e Theodore se apaixonam.

O romance de Dolores e William foi um dos pontos altos da 1ª temporada e a revelação de quem o empresário se tornou no futuro explodiu as cabeças de muitos telespectadores por aí.

3 – O Guia do Mochileiro das Galáxias (2005)

13

Inspirado na coleção de livros homônimos de Douglas Adams, o filme de Garth Jennings, acompanha a louca aventura de Arthur Dent (Martin Freeman) que descobre o seu melhor amigo, Ford Prefect (Mos Def), é um extraterrestre e com a sua ajuda ele foge da Terra instantes antes dela ser destruída para dar espaço para uma auto-estrada hiperespacial.

Marvin é um dos personagens mais engraçados do longa, principalmente pelos seus comentários dramáticos e sarcarsmo depressivo. O robô, depressivo por ter um QI elevado, mas mesmo assim ser obrigado a fazer tarefas simples, têm muita similaridade com os androides de Westworld, que têm o potencial para ser mais inteligente do que qualquer humano, mas ainda assim são condenados a servir como bonecos.

4 – A.I. – A inteligência Artificial (2001)

3e28bfc844ad96da8013bf384653bdb1

O filme de Steven Spielberg é considerado um dos mais belos no âmbito de ficção científica e conta a história de um androide criança chamado David Swinton (Haley Joel Osment), que, ao ser abandonado pela família que o adotou, tenta voltar para casa e realizar o sonho de ser um garoto de verdade.

No longa, David recebe a ajuda do androide Joe, um gigolo. Com a tendência de humanos construindo robôs e bonecos hiper-realistas para servir de companheiros sexuais, não é uma surpresa que tanto em Westworld quanto em A.I. os robôs sejam utilizados como profissionais do sexo.

5 – Eu, robô (2004)

iNeKWgcTqUJhBToaosUXgca2nSY

Com direção de Alex Proyas, o filme “Eu, Robô” foi muito criticado por sua falta de semelhança com o livro que o inspirou: “Eu, robô” de Isaac Asimov. No futuro, robôs são extremamente comuns e, para a segurança dos humanos, os robôs tem em sua programação um conjunto de regras que os impedem de machucar uma pessoa, chamado de Lei dos Robóticos. Quando um homem é assassinado por um robô, o detetive Del Spooner (Will Smith) é chamado para investigar o caso.

SPOILER DO FINAL DA 1ª TEMPORADA DE WESTWORLD

Assim como os robôs no filme, os androides de Westworld são programados para não poder matar um ser humano que entrou no parque. Quando a revolução dos robôs começa, essa programação é alterada fazendo com que os convidados do parque agora corram um risco real.

Bônus – Westworld – Onde ninguém tem alma (1973)

westworld

Não podia faltar o filme de Michael Crichton que inspirou a série da HBO. O longa foca em dois amigos, Peter Martin (Richard Benjamin) e John Blane (James Brolin), que escolhem o parque do Velho Oeste para se divertir com os robôs. Mas problemas técnicos fazem com que os androides ganhem a habilidade de poder machucar humanos. Enquanto vários convidados são mortos, os dois amigos tentam fugir de um pistoleiro que os quer assassiná-los.

E aí, gostou da nossa lista? Ficou algum filme de fora? Fale pra gente nos comentários!